Visitantes

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Sangue

Longe
Pequeno
Preceito
Logo precinto seu medo
Pôde
Perfeito
Momento
Seguido de perto seu medo
Fodo
Assunto
Nauseante
Como cru seu medo
Crivo
Corpos
Perfurados

Sangro esvaeço no medo

sábado, 22 de outubro de 2016

Fissura

Ei menina frágil, tremeluz, brilho sorriso com dentes grandes e olhos pequenos
Voz rouca, durona, malandroqueira
Caiçara de braço forte agarrado no remo sonhando canoa
Quem podia esperar tanta força pujante nesse sorriso envergonhado de sorrir porque sorrir era longe
Guardado à entranha o fel do abandono
Não você não seria capaz de agredir assim
Não você não usaria palavras para ferir
Não você não me expulsaria da tua vida por medo de amar
Com a rudeza imprevista desconfiada ciumenta
Vez atrás de vez, gritando, transtornando os mundos
Não menina frágil você tão frágil abusivamente transtornando meu mundo
Abusabusivamente agredindo ferindo
Quando sofrer é essa fenda que te atravessa de lado a lado
Fissura que rasgou tua vida aos quinze, menina, quando de fato
frágil era

Carregas agora em ti um ser ainda mais frágil
E quer sozinha te agarrar a ele proteger
Ninguém mais, você diz com teus olhos espantados,
Ninguém mais vai protegê-lo senão eu
Ainda que me falte força
Ainda que me sobre angústia
Quem chegar perto eu cuspo com meu cuspe de fel
Quem chegar perto eu arregaço com meu remo
Eu corto com meus dentes
Eu grito abuso acuso perturbo firo expulso
E nem venha com amor afagar
Essa fenda que me atravessa de lado a lado
Fissura que rasgou minha vida quando de fato
frágil menina era